Desilusão opcional

14 abril 2013

Você tinha os olhos rasos d´água e uma infinidade de palavras não ditas que foram jorradas, instantaneamente, na minha cara que transbordava naturalidade. Era uma manhã ensolarada e até hoje eu não entendi sua tempestade desnecessária e inconveniente, igual a você quando quer parecer uma criança mimada. Eu nunca fiz questão de entender sua necessidade de ter, de manipular, de querer o que não está ao seu alcance. Eu nunca percebi sua mania de desapontar as pessoas que esperam algo de você. Até eu? Eu disse que não esperaria nada. E que não passaria horas tentando te ligar depois de uma briga e que, Deus me livre, cairia de amores por você. E então recebi uma resposta de "tudo bem" que soava mais para um "espero que não caia mesmo". Mas ignorei. A vida toda vivi cercada de pessoas extremamente superficiais e cheias de uma vida teatral que pregavam a profundidade do sentir. Você não seria o primeiro.


Já sofri muito com as mentiras que as pessoas contam, mas nessa, me surpreendi. Você tinha a mão envolta no pescoço dela. Mesmo depois de todas as nossas noites de carinho. Mesmo depois de todos os "eu te amo" e promessas de para sempre. Mesmo você sendo meu eternamente, você segurou a mão dela como se fosse algo que te tiraria desse mundo de impurezas e te salvaria de algo que não precisa de resgate. Meu amor nunca foi algo que pudesse ser comparado a um naufrágio. Eu te salvei de uma vida vazia, de amores de uma noite só, te salvei da solidão, do tédio que toma conta da rotina. Te fiz viver em constante aventura e tudo o que você me dá em troca é a decepção por confiar.

Eu nunca esperei nada de ninguém ou pelo menos tentei não fazer isso. E naquele dia, num descuido qualquer, terminei com meus olhos nos seus e o coração na boca. A partir daquele dia caminhei rumo a estrada mais estreita e conhecida por aqueles que amam: a desilusão. Essa eu não posso reclamar porque fui eu quem escolhi e me deixei levar. Ela é típica dos casos românticos e clichês e qualquer outra coisa. E se tudo o que tenho que fazer é não esperar nada de ninguém para que não a encare novamente, tentarei. Mas depois que me recuperar, claro. No momento, a única coisa que espero é sair daqui o mais rápido possível porque, ao contrário do que muita gente pensa, consertar coração quebrado não ameniza a dor, só causa cortes mais profundos e mais dolorosos do que parti-lo.

4 comentários:

  1. "os olhos rasos d´água e uma infinidade de palavras não ditas que foram jorradas" escreve muuuuuuito bem ;]

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Kassya! Que bom que gostou :)

      Excluir
  2. Nossa parabéns. Um dos melhores textos que eu já li.

    ResponderExcluir

Raiane Ribeiro: Desilusão opcional © 2011 - 2015 - Todos os Direitos reservados
Desenvolvido por: Pamella Paschoal