Sobre finais e (re)começos

10 março 2013

Você acorda, anda pela casa sem saber se está com fome, com sede ou apenas procurando uma distração que sabe bem que não está ali, mas é melhor do que ficar parada. Faz mil planos e concretiza apenas aquele que te diz pra ficar na cama o dia todo. É melhor, não é? Lamentar, chorar, culpar o mundo, a cartomante, o destino, a vida. É mais fácil, eu sei. Aí você evita entrar no facebook pra não ver como ele se divertiu na festa que você não foi, com pessoas que você não suporta. E evita falar com suas amigas sobre ele porque te traz péssimas lembranças e você precisa superar. E não quer mais viver porque a vida é colorida demais e a única coisa que você quer é um pincel pra pintar tudo ao seu redor de preto pra combinar com seu humor. E então é a hora de lembrar que preto não é cor, é a ausência de uma. E o que vem a mente? A falta que ele te faz.



E aí surge a ideia de escrever um drama sobre sua vida onde a mocinha morre de tédio e amor não correspondido no final. E então todas as músicas sertanejas, todas as baladas bregas e românticas e cheias de ai-como-eu-sofro são a trilha sonora perfeita pra uma vida tão cheia de coisas vazias. "Isso passa" é a máxima de todas as suas amigas e frases de auto ajuda que você leu o dia todo. E eu sinto até a alma por te desiludir: não vai passar, não. Não enquanto você preferir ficar deitada o dia todo assistindo "Um amor pra recordar" e comendo chocolate pra preencher o vazio que ele deixou no seu peito. Esse buraco na alma não se cura com a superficialidade humana. Não se cura com noites loucas em bares e caras que não vão te ligar no dia seguinte.

A cura para um final, é um recomeço. É aceitar que acabou, sentir a dor e seguir em frente. Feridas mal curadas têm o péssimo hábito de reabrir em noites com chuva, drinks e carência. Um band-aid no coração não é o suficiente. Cure sua ferida dia após dia, com cuidado. E logo você vai ver que ele é só mais um cara, não sua vida toda passando como um filme em sua cabeça. Ele é só um cara, um idiota qualquer que não tem a mínima noção do tesouro que perdeu enquanto colecionava bijuterias. Ele é só mais um cara, e acredite, tem outros cem sonhando em encontrar alguém como você. E não se esqueça, menina: o amor morre pra renascer mais bonito, mais puro, em outros lugares... E em outras pessoas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Raiane Ribeiro: Sobre finais e (re)começos © 2011 - 2015 - Todos os Direitos reservados
Desenvolvido por: Pamella Paschoal