Desencontros

17 março 2013

Ando em linha reta. Sigo em frente. Desvio dos caras com mania de profundidade em sentir e fujo às pressas dos carentes. Viro à direita. Pra supor que talvez, escolhendo algo que lembre "direito" e tenha uma relação com a palavra "certo" me dê algum acerto nessa vida. Porque de tortas já bastam minhas escolhas. E de errada eu me basto. Carrego um sorriso aberto, às vezes sincero, outras vezes responsável por tapar a dor de uma ferida aberta no peito. Toda manhã quando o dia começa, o meu primeiro pensamento é a busca por um motivo para o mantê-lo ali. Quietinho, acanhado, mas ao mesmo tempo convidativo. Do tipo que diz: quer conhecê-lo melhor?


Todos os dias me perco na busca por me achar. E tento me encontrar nas palavras. Nestas perdidas em linhas soltas. E em sentimentos. Mas palavras, ah, essas palavras. Elas confortam, mas não curam. O que cura é abraço apertado vindo do nada. O que cura é beijo roubado em dia de chuva. É carinho no cabelo, acompanhado de um: "eu estou aqui por você". Palavras são lindas, encantam. Mas não convencem a quem as usa para fugir do medo, da insegurança, do amor.

Assim como as usei para fugir de todos os caras que tentaram se envolver demais comigo. Costumo alertá-los da placa de "PERIGO" que colei em volta do meu coração. Consegue vê-la? Eu vejo você, e caminho em sua direção, mas tropeço em meus passos. E todos os caminhos que segui ganharam vida própria e agora me carregam por aí. Meu GPS parou de funcionar, e todo encontro e reencontro é um desencontro a mais. Mais um pra lista. E tenho tantas delas, você nem imagina. Os caminhos avessos se tornaram uma via de mão única e sem volta. Então, sempre que me encontrar, estarei andando em linha reta. Seguindo em frente. 


Talvez assim eu não me perca mais. Nem perca mais ninguém. E me livre dessa proteção maldita que de tanto proteger, sufoca. Mas enquanto isso não acontece me encontro aqui, sorrindo. E dando conselhos sentimentais pras minhas amigas sobre seus desamores. Então, respira. Que de amor ninguém morre, meu bem. E mais uma vez desliguei o coração das ideias ilusórias de romances de cinema e me liguei pra vida real, que convenhamos, é muito mais divertida.

2 comentários:

  1. mais um texto me descrevendo <3 adorei!

    http://euqueromaisquetudo.blogspot.com.br/2013/03/amor-pra-recomecar.html

    ResponderExcluir

Raiane Ribeiro: Desencontros © 2011 - 2015 - Todos os Direitos reservados
Desenvolvido por: Pamella Paschoal