Fuga

02 outubro 2012

É madrugada e eu estou pensando em você. De novo. É madrugada e eu não aproveitei meu dia porque passei contando os minutos pra te ver. Calculei os milímetros de cada passo que dei ao seu encontro. Sorriso frio que me aquece. Sempre que passa da meia noite eu sofro uma transformação melancólica. Continuo com minhas baladas bregas e textos dramáticos e adivinhe só? Ainda escrevo sobre você. Ou deveria te contar que é a primeira vez que escrevo algo realmente verdadeiro sobre o que eu vejo quando te olho? Não sei, é arriscado. 


O amor é um risco. Me entregar é perigoso. Mesmo que fosse a você, com suas palavras que encantam e intelecto que atrai. Vejo beleza até nisso de você não gostar de absolutamente nada. Sempre gostei do tal sadomasoquismo intelectual. Gosto de receber elogios por, de fato, merecê-los. Engraçado que os arranco de você por hobby e com uma certa facilidade. Gosto de ouvir você dizer que estou à sua altura e te convencer a gostar do meu ecletismo musical. Gosto de mostrar meu bom humor, minha ironia e bancar a criança pidona quando quero ouvir você falar de mim. Gosto também de fantasiar nossa relação porque sei que ela nunca vai existir. Amores impossíveis me fascinam. Sabe por quê? Não sei lidar com a reciprocidade de sentimento. Não sei ouvir "eu te amo" e ficar feliz com isso. Preciso da luta, dos motivos e "porquês". Um quase sentimento sem final feliz não me completa, me transborda. Não tem saudade interrompida, não tem erros, só o desejo. O desejo de tornar coisas erradas em possíveis acertos é o suficiente.

Mas não, não nessa madrugada. Estou a ponto de pegar o telefone e te ligar. Será que eu perdi minha chance? Aliás, será que eu ao menos tive uma? Não importa. Ou deveria? Entre o sim e o não, estou com seu perfil aberto no facebook. Gosto de olhar pra ele no meio da noite e encontrar motivos para não ir adiante e me pego contrariando a mim mesma. É, não os encontrei. Dá pra desistir de algo que nunca existiu? A madrugada me coloca em uma constante guerra interna. É cansativo, entende? Uma luta de sentimentos que não acaba e as incertezas ocupam seu lugar em minha cama. E por mais que eu tente, talvez eu nunca entenda porque você está tão fixado em mim. Nem porque você mexe tanto comigo e com a minha estrutura emocional. É vontade demais, loucura demais, errado demais. E de demais em demais, alguém acaba sobrando. Então eu percebo que sinais positivos nem sempre se enquadram numa conta de mais. Durmo depois de decidir te esquecer, e adivinhe só quem veio me visitar em sonhos? É, eu continuo fugindo. Em círculos.

8 comentários:

  1. que texto lindo flor *o*
    quem nunca se encontrou nesse empasse de fugir em círculos né?
    parabéns pelo blog, to adorando ler tudo ><

    beijos

    ResponderExcluir
  2. Né! Hahaha Acho que todo mundo já passou por isso pelo menos uma vez na vida.. Fico feliz por saber que está gostando e espero que continue lendo! Muito obrigada <3 Bjobjo

    ResponderExcluir
  3. Acabei de conhecer seu blog,acho que vou gostar muito,
    esse texto por exemplo é a minha cara,amei!
    Parabéns,bjs

    ResponderExcluir
  4. Ei, obrigada! Bom saber disso. Espero que goste e que continue lendo :] bjobjo

    ResponderExcluir
  5. Acabei de conhecer seu blog também,já estou seguindo e curtindo.
    Amei <3
    http://www.avidaemletras.com/

    ResponderExcluir
  6. Obrigada, Dani! Fico feliz por saber disso, espero que continue vindo aqui sempre, ein? Hahaha <3 Beijão!

    ResponderExcluir
  7. é texto bonito qrida...os sentimentos machucam parabens e continue buscando inspiraçoes kkk>> janaina

    ResponderExcluir
  8. Nosssa , muito bom alias todos os textos otimos
    sempre me identifico .

    PARABENS ! *-------*

    ResponderExcluir

Raiane Ribeiro: Fuga © 2011 - 2015 - Todos os Direitos reservados
Desenvolvido por: Pamella Paschoal