Amigo/Amor/Irmão

31 outubro 2012

Eu já te amei muito. Ou quase isso. Amor pela metade não se entrega, amor de verdade não acaba. Foi o que eu pensei depois da sua última visita. Sempre que você chega, leva um pedaço de mim. Talvez dois, pra não dizer que poderia me levar inteira. São nesses reencontros cheios de piadas velhas e batidas, novidades e sentimentos que deveriam ser colocados na mesa - que, por sinal, nem foram vividos ou sentidos por inteiro - é que eu vejo o quanto a gente é babaca. É isso mesmo: babacas! Não dá pra romantizar uma história como a nossa, eu tentei. Porque nós temos toda essa ligação e apego e essa coisa de não conseguir ficar longe, sabe? Mas juro que me proibi de sentir tanta felicidade ao receber suas sms, me proibi de te ver como nada mais que um amigo e de me desmanchar completamente quando - num ato de loucura ou em um daqueles momentos em que a gente simplesmente não consegue conter a vontade - você me beija.


Enquanto você brinca de não saber o que quer, eu me perco no vazio de outros amores. Enquanto você diz que me ama como amiga e ao mesmo tempo beija meu pescoço como se quisesse me devorar, eu mato minha metade que fantasia nosso final feliz. E eu tenho vontade de te segurar forte e te pedir pra não me deixar ir, pra que pelo amor de Deus você não me perca de vista. Não é fácil encontrar a química perfeita e nós temos tudo o que algumas pessoas passam a vida inteira procurando. Você não vê? Seu jeito de dizer que precisa se despedir me irrita e a mania que você tem de vez ou outra cismar com meu jeito meio seco também. Será que não vê que alguém precisa usar um disfarce e engolir o coração pra que isso funcione direito? Eu recortei qualquer parte de mim que poderia te assustar por ser intensa demais ou qualquer entrega sem medida que eu pudesse vir a fazer. Agora podemos seguir com nosso contrato de não amor e sermos felizes. De novo. Ignorei os sonhos que imaginei realizando seu lado, os sorrisos que dei ao pensar em você e a imensa vontade de ser só sua. Eu era, eu sou. Ser nós dois e ser sozinha é viver lamentando a distância, os desamores e me manter distante pra te ter por perto. É monitorar o desejo e as entregas pelo medo de serem boas o suficiente pra me afastarem de você. Não dá pra viver com uma metade sua. Te amar menos pra poder te amar o bastante é cansativo.

Nunca menti ao dizer "te amo", talvez tenha omitido a intensidade. Omiti também a vontade de te matar quando você vem - brincando de me irritar - perguntar sobre minhas amigas. Eu me recuso a enxergar que elas tenham algo a ver com você. Ou qualquer outra pessoa. Essa não é uma história de amor porque é muita babaquice ignorar um sentimento tão raro. Não é uma história de amor porque ela simplesmente atingiu um nível muito maior. A impressão que eu tenho às vezes é que nós dois temos o mesmo pensamento e sentimento, mas decidir quem vai ser o primeiro a ser claro o bastante é arriscado. Quebrar esse elo misterioso que há entre a gente não é uma alternativa. E sempre vejo que nessas relações de amizade colorida alguém acaba sofrendo no final. Ou sobrando. Ou amando além da conta. E acaba virando isso. Nós. Não que eu tenha o direito de usar a primeira pessoa do plural pra nos descrever, mas vai que você resolve acreditar que esse seja o pronome pessoal perfeito pra gente? Prefiro que você pense sobre isso sozinho. Infelizmente não dá pra resolver isso em uma sms com "Vamos parar com essa bobeira de você não me querer por completo e escrever nossa história juntos?", amor não se implora. Então eu vivo na constante busca da fórmula certa de como não te amar. Ou de como não te amar o suficiente pra que essa relação de algum jeito dê certo. Essa relação que se resume ao "se cuida" dito, que é o mesmo que "me cuida, pelo amor de Deus". E entre a vontade de cuidar e te rasgar inteiro, lembro que você é quase um irmãozinho. Afinal, o teatrinho continua e o show não pode parar.




6 comentários:

  1. Depois de tanta leitura, tantas letras, vem a musiquinha gay. KKKKKKK
    Tá blz, mt bom o blog. :D

    ResponderExcluir
  2. Lindo!!!!! Você descreve muito bem tudo o que eu sinto, parabéns pelo blog. Bjokas Taty

    ResponderExcluir
  3. Eu amo TANTO esse texto que ele é quase meu, ok dona Raiane? <3
    LINDO LINDO LINDO, eu tô in love com ele pra seeeeeempre!

    ResponderExcluir
  4. Lindo <3 já me senti assim.
    http://www.avidaemletras.com/

    ResponderExcluir
  5. O texto veio em hora exata, é tudo que eu precisa ouvi, já que é tudo que eu realmente venho sentindo, obrigada.

    ResponderExcluir
  6. Jennifer evelyn27 fevereiro, 2013

    Lindoooooo e perfeito, me impressiona sua facilidade com as palavras!!

    ResponderExcluir

Raiane Ribeiro: Amigo/Amor/Irmão © 2011 - 2015 - Todos os Direitos reservados
Desenvolvido por: Pamella Paschoal