Permita-se!

28 junho 2012

Já ouviu dizer que pessoas sempre vão embora? Pois é. Essa frase é velha, clichê, mas não deixa de ser verdade. Eu sei que assusta ouvir, ler e escrever isso, faz parte. Porque, por mais desapegadas e frias que possamos ser, uma hora ou outra acontece de aparecer um alguém especial, diferente, único. Eles simplesmente aparecem. Como acaso ou destino e chegam bagunçando tudo, nos deixando uma sensação de vazio, de metade completa, uma vontade de ficar, correr e outras bobagens sentimentais até voltar ao início: Pessoas sempre vão embora.




Hoje vou me desprender do clichê, do óbvio e vou abandonar o normal. Pessoas sempre vão embora sim, mas quem disse que eu não posso eternizar o sentimento? Os caminhos não se cruzam por acaso, acredite. Algumas pessoas te alcançam para mostrar que você não precisa correr tanto assim. Outras fogem para que você veja o quanto é doloroso o que você faz com os outros. Aparecem para te ensinar, alegrar, aborrecer e marcar sua vida de algum jeito. São as que te fazem crescer e valorizar momentos únicos que simplesmente não voltam.

Chega uma hora em que você precisa largar as armaduras e expor sua sensibilidade, nem todo mundo vai te decepcionar. Há quem saiba curar feridas antigas e apagar cicatrizes, você só precisa enxergá-los. Se permitir é necessário. Esqueça a razão em algum momento da sua vida e siga seu coração. Se deixar levar é arriscado, eu sei. Mas a maneira como a vida nos surpreende é a melhor recompensa que uma pessoa pode ter por não se planejar tanto. Tudo é aprendizado. Planeje menos e viva mais. Desconfie um pouco, mas não perca totalmente sua fé nas pessoas. Em um mundo sujo e cheio de pessoas descartáveis, sempre haverá alguém por quem vale a pena lutar. Alguém que está por aí tão perdido quanto eu, quanto você.

3 comentários:

  1. O MELHOR TEXTO DE TODOS!!!!

    ResponderExcluir
  2. Não vai escrever mais no blog da Bebela?

    ResponderExcluir

Raiane Ribeiro: Permita-se! © 2011 - 2015 - Todos os Direitos reservados
Desenvolvido por: Pamella Paschoal